sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Adíos.

Então, eu vou procurar aqui pelas gavetas o que sobrou de nós dois e o que há de você ainda e há muita coisa dentro de meu peito. Não sei ainda o que vai permanecer e o que eu vou deixar que você leve, talvez eu deixe tudo comigo, guardado a sete chaves, onde vezenquando eu vou abrir um pouco para que entre um pouco de ar para que não deixe que nada mofe, para não criar poeira. Ouvir as músicas e se lembrar de cada detalhe de cada lugar e de cada palavra que dividimos. Sentir ainda sobre os lábios o sabor do café, do vinho, do wisky, da vodka. O sabor de algumas poesias, de algumas declarações inesperadas, de algumas lágrimas. Sentir você envolto nos meus braços, no meu carinho, no meu amor. Apenas sentir. Mas as coisas que valem a pena sentir. Talvez você nem seja esse de que eu vá me lembrar com um sorriso entreaberto e com uma imensa saudade. Mas eu não quero que seja esse vazio interminável que teima em pulsar dentro de mim

4 comentários:

Minha vida em Textos disse...

Olá, visitei e gostei muito...
Funny!!!!

F. Júnior disse...

nunca dá pra saber ao certo o que nos é tirado e o que nos é deixado... talvez só o tempo revele... talvez nem isto.

Lorena. disse...

Guardar nem sempre é bom! :)

Anna Clara disse...

pega tudo e taca no fogo.