sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Próximo trem.

Estarei aqui, como sempre estive esperando por você, nesta plataforma onde todos os trens passam e se cruzam e todos embarcam, estarei te esperando para que eu possa embarcar no qual me levará ao nosso destino. Há uma lua de fel que escorre e me lambuza mas eu, estarei aqui te esperando para que você me limpe dessa amargura e desse medo de que o próximo trem seja o do nosso destino e você não esteja ao meu lado para me entregar o bilhete azul que são os seus olhos imersos em jazz.



O tempo escorre e corre e se desmancha no meu rosto que já tem algumas rugas e marcas de trilhos e faz algum frio nesta plataforma em que os trens passam rápidos demais por mim e sobre mim que sinto por toda a minha pele como se fosse o tempo e seus ponteiros, e não páram, ontem eu vi uma pessoa e ela sorriu e conversou comigo e por alguns intantes eu achei que iria embarcar com ela, mas eu prometi que iria lhe esperar e é o que estou fazendo e é o que farei até que você apareça ao longe, com o seu enorme sorriso mais puro e mais sincero que as teclas de um piano que eu ouço sempre, porque sempre estarei aqui te esperando.


Vem mais um trem e eu sei que não é o nosso, ainda não chegou a hora de embarcarmos e o destino é paciente, vai saber nos esperar.



Talvez você seja esse que se aproxima, pois venha, nosso trem já está se aproximando e eu quero logo ter esse bilhete imenso de jazz com seus olhos azuis.

2 comentários:

F. Júnior disse...

olhos imersos em jazz... gostei disto... nunca andei de trens e tenho medo de aviòes, mas num ficarei na estação a espera do que possa ser... vou a pé, mas vou... rs

Anna Clara disse...

eu não gossto de trem, nem de estações, acho que por causa dos pesadelos.

sempre perco o ponto.