quinta-feira, 18 de março de 2010

Pombo Correio.

Para Hugo, Leandro e Jamess




Temos a fúria de quem morre todos os dias e renasce uma vez por mês. Contas a pagar com Deus e os homens, parcelas de culpas cobradas a juros. Arranhamos as paredes a procura de ar & de um desentupidor para as palavras entupidas num ralo de peito desolado.
Nossos romances não saem dos livros, as minhas poesias jamais estariam em algum. Me conformo em estarem em vocês, em cada linha de expressão que meus dedos rascunham. A dor é a mesma, só muda a posição das peças, já diria um de vocês, a minha imagem e semelhança. Eu deixei um cavalete deixado em algum lugar dos meus sonhos, com um amor esboçado em cinza escuro no peito daquele me esqueceu em algum vagão por ordem minha. Por ordem de outro, jamais deixarei de escrever mesmo que meus braços e pernas sejam amputados pelo tédio e pela desventura do mais do mesmo dos meus dias.
O meu corpo uma palavra mal escrita à vocês.

(Mas enquanto outros permanecem em videiras, já estamos nas garrafas & vomitamos sangue)

Obs: É falta de educação devolver um presente. Mas vou devolver o de vocês. E com a minha letra

16 comentários:

HugoCrema disse...

Eu sou a fúria que te encontra, tromba numa avenida de propósito.
Luzes de mercúrio, vapores de mercúrio nos embebedam e dançamos sob holofotes e focos destinados a nós mesmos
a nos encontrar numa praça em que o concreto se liquidifique em tango
e o vinho se subscreva em versos

você é a cama
eu sou o espelho no teto

Ma.chine disse...

Que intenso...

e lindo!

Uau!

Beijo

Leandro Mayfair disse...

tudo que escrevemos apagaria caso agora eu lhe desse o abraço que cabe em meus braços para você.

te aguardo.

Francisco Jamess disse...

aguardando desde algum mês do ano passado e subindo...

Mai disse...

A dor é igual e lancina. Mas você tem uma força descomunal que se expressa em palavras, em textos únicos. Continuarei por aqui e esperando, esperando, esperando o trem, que te trará...E que já vem, que já vem, que já vem...

Um forte abraço, Katrina.
Aprendi a gostar de café forte, aqui.

Ju Fuzetto disse...

profundo!!!

Adorei!!!

Parabéns pelo espaço!!
beijo

Rene Serafim - "Juninho" disse...

Sua letra arranhou nossas paredes...

Mikaele Tavares disse...

E que bela devolução de presente.

Beijos

♥ Cαmilα Girαssol disse...

Nossa, você tem o dom com as palavras.
Intenso e real.


Beijoca

Sylvia Araujo disse...

Gosto de letras que dançam - em alguns casos, sapateiam - e as suas giram, giram, giram, rodopiam sem parar.
Gosto de sentimentos que soluçam, tipo os seus, furiosamente.

Taí. Gostei de você.

Um beijo

Maria V. disse...

malditos sejam os seus comparsas. rs. sorte a deles.
abraço.

Mais um imundo no mundo impuro. disse...

O lixo daqui é insano, profano como eu já disse, e alucinógeno como passo a dizer. Simplismente demais!

E valeu ai pela dose de semanacol!

Abraços!

Felipe A. Carriço disse...

Pombo correio deve ser o nome da empresa de entrega, tamanho o presente.

Daniel disse...

"Temos a fúria de quem morre todos os dias e renasce uma vez por mês."

Gostei demais disso.
Beijo

Alex disse...

presentes dai e daqui...a sincera troca das palavras...sempre!

Sergio disse...

Caráio.