quinta-feira, 26 de março de 2009

Bilhete.

Para Douglas
após ouvir Augusta, Angélica e Consolação.
nossos passos ainda estão lá, as promessas também



Sobre teus olhos recaíram todos os neons de todas as ruas de todas as esquinas de todos os faroís de todos os bares de todos os sorrisos ébrios e desesperados de todas as infímas cores que essa noite nos apresentou vestida de veludo como a sua pele jogada sobre a minha sobre a maciez dos teus lábios de linho das tuas mãos etéreas pelo meu corpo de pedra rolante em grama e asfalto e de complexidades incompletas como aquela canção do Tom Zé sussurada em meu ouvido enquanto seu dedo entrava dentro da minha vagina e me fazia urrar de amor e a tua língua redescobriu meus lábios escondidos
redescobriu algo melhor em mim, tua língua
pronunciou o meu rosto em letras em pequenos trechos de músicas de ruas de estradas de poesias reinventadas do amor inventado e verídico que só você tem e me ofereceu, aceitado de todo o coração e de toda a minha vulva, preenchendo as lacunas reservadas para isso, placas e setas, não há como se perder de mim, por favor, não deixe que eu me perca de mim.

[Porque agora é outro rosto dentro do espelho
que sorri por ver os teus olhos em meus olhos]

Dentro dos seus abraços coube uma avenida coube o meu peito coube minha esperança coube todos os meus vastos desejos de ser e estar feliz e eu entrelaço meus dedos neles e percorro as ruas próximas esperando que elas não tenham um fim.
Eu só os abandono para pegar um bilhete premiado dourado escrito com tinta vermelho berrante e azul piscante, na próxima esquina perto da [algo que deve ter sido escrito por alguém lá da Frei Caneca
de pêlos que crescem disfarçadamente e maquillage saltos 25 cm e cabelos postiços peruca vagabunda comprada na 25 de março ou no Brás, 50 reais por tudo por uma noite sendo humilhado, mas garante, é incrível,
não vá se esquecer disso.
É quase como se estivesse de olhos fechados em algum puteiro sujo da baixa Paris com alguma francesa
sábia em boquetes
feche os olhos, pense nisso, pague os 50.
É elegante]

(Augusta mandou dizer que te ama e que sente falta dos seus passos sobre ela)

Recado lido, entregue em mãos.
O meu, entrego no beijo

não vá se esquecer de mim.

2 comentários:

Adriana Gehlen disse...

pe ca do

Camila Colossi disse...

[Porque agora é outro rosto dentro do espelho
que sorri por ver os teus olhos em meus olhos]

*-* nossa qe lindo e profundo,ameei o blog

bejoos