domingo, 10 de outubro de 2010

Alison

I'm not gonna get too sentimental
like those other sticky valentines
cuz I don't know if you were lovin somebody
I only hope it wasn't mine
(Elvis Costello - Alison)



Ainda estará distante Alison e eu ainda serei um homem sem nome em suas lembranças, apenas um sorriso permutado de alcool e solidão, mas você ainda será aquele nome que me perseguirá a cada esquina, a cada passo que darei para longe das marcas dos seus passos, que lhe trarão sempre de volta a mim. Nunca será Alison, será outros nomes, outros rostos, será esse vazio que eu tento preencher mas que meus olhos denunciam o lugar vago esperando por você, para que possamos trocar carícias libidinosas e cantar escondidos essas canções daquele amor que nunca nos pertencerá, mas que nos debruçamos sobre livros e poesias em cadernos perdidos pelos cantos para encontrar nisso um bom motivo para continuar vivendo. Eu tento te tirar da minha pele e com isso a arranco e você vê ao longe essa dor de se calar e fingir que é apenas uma troca de pele, cobra venenosa que se arrasta por ai tentando evoluir, pequenos pés que tocam o chão, na ponta deles por você até perder o equilíbrio.

Você tenta queimar meu coração com a passagem das horas & o que sempre resta é essa bituca de cigarro que você pisa no final
enquanto eu vou morrendo a prestações.





3 comentários:

Daiana Costa disse...

Morrer a prestações.. isto me lembra a segunda geração romântica, suspirando pelo platônico amor.

Gostei deste, particularmente.

Stella Rodrigues disse...

Morrer as prestacoes, adorei essa frase.

Rafael disse...

Trocar carícias libidinosas é algo deveras bom.