quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Longa metragem.

Ótimo, parabéns, agora você pode lamentar não ter filmado porra nenhuma que chegue aos rastros daqueles filminhos franceses, dias de Godard na imaginação e de Truffaut na cabeça, sem aspirinas suficientes prá aliviar as malditas dores de cabeça e tantas dividas acumuladas pelos sonhos em rolos e rolos de películas já mofadas, sem público, sem a magia da tecnologia e todo aquele blá blá só para vender suas histórias mirabolantes de mocinhas viciadas que largam tudo por mocinhos do faroeste cangaceiro que se infiltram na política e saem de lá senadores da Gestapo. Ah sim, um prêmio um dia, nem me lembro pelo o quê, cinema underground de baixa renda, festival de grande prestígio no Acre, mas deve estar ali dentro de umas das caixas destinadas ao lixo junto com os roteiros dos melhores filmes ainda não produzidos pelo homem, pobrezinho. Que os catadores se animem com os roteiros e reescrevam seus próprios roteiros, melhores e mais ricos de verdade, porque claro, hoje em dia o cinema anda tão..verdadeiro! Papo de diretor frustrado, não liguem. Só porque não fez um ótimo filme de comédia onde todo mundo se come no final e toda a família pode ir no cinema, pagando obviamente, ver e aplaudir de pé, fica agora reclamando de tudo como se fosse o último grande diretor sobrevivente, grande porcaria, nunca foi.

Vamos por partes, você não consegue mais escrever e dirigir qualquer coisa, muito menos sua vida. A partir desse pensamento, muitos filmes poderiam ser feitos, aquela coisa toda de introspecção que no final sempre se encontra a tal luz no fim do túnel ou o cara enlouquece de vez, sem romances por favor, sua vida também não tem, não complique se apaixonando sempre por quem não deve ou fazendo que essa mesma te mate aos poucos dentro dela, se concentre na porra do trabalho, pense no melhor que pode fazer, sem querer Gilda, esqueça dela. Mas cara, então você escreve uma coisinha aqui, uma ceninha de merda ali e pronto, o filme já pode ser rodado e consumido. Só se você quiser continuar se sentido um frustrado.
Frustração é sempre melhor com dinheiro no bolso não?
Não.

Idéia fantástica I!

Roubar cartas, responde-las e envia-las. Reescrever a história das pessoas, melhor, roteiriza-las! Claro, se as pessoas se correspondessem hoje em dia, bando de anti-sociais grudados no computador. No máximo conseguiria roubar muitas dívidas a serem pagas, isso não faz filme, faz a vida. Idiota.

Idéia fantástica II !

Virar Hacker, invadir e-mails, respondê-los e reenviá-los. Roteirizar tudo depois, o que acha? Chamar uns atores de ínicio de carreira que topem algo totalmente inovador, tipo sair nus pelas ruas de São Paulo com câmeras imbutidas na cabeça a passos largos de dinossauros em tempos pré históricos com todo o aparato tecnológico, savana de fios espalhados.

Incluir os e-mails mais interessantes, com assuntos construtivos. Que façam pensar. Tipo o da garota que é mãe solteira e está dando em cima de um cara casado com familia constituída. Inveja é um bom tempero. Tem o do cara solitário que se inscreveu em muitas agências de relacionamentos mas até agora nunca conseguiu um encontro, ótimo, caras perdedores são clichês, mas dão certo no final. Não esquecer da prostituta que recebe por email o seu valor anual de constribuíção a sua igreja, vende o corpo para salvar a alma, nada mal.

-------------------------------------------------------------------------------
-------------------------------------------------------------------------------

Conto comunitário- Caros leitores deste humilde e tosco blog: Quero dividir com vocês o final deste conto, por isso, peço que me ajudem com suas ideias, seja lá qual elas forem. No fundo, não sou eu bem que peço isso, mas meu personagem (NÃO TO FICANDO ESQUIZOFRÊNICA OK?). Enfim, sou péssima para explicações e vocês já devem ter entendido o que eu quero dizer, ele precisa de idéias para um filme e essas coisas.
É com vocês, beijos.

10 comentários:

Andréa M. disse...

faroeste cangaceiro que se infiltram na política e saem de lá senadores da Gestapo.

a-ni-mal. :)

Fábio disse...

Que tal ervilhas assassinas?
Ok,isso é coisa do Zé do caixão. Que tal um filme que fale sobre um cara que cavou o terreno de sua casa achando que ia encontrar petróleo e parou lá na China?

Katrina disse...

Vou pensar na idéia do petróleo, hahahahaha. Mas eu prefiro as das ervilhas assassinas

Fabio, disse...

Sabia que a ideia das ervilhas seriam aceitas

Julia disse...

Uhn, a ideia dos emails invadidos e roteirizados é muito boa. Dificil ajudar, o conto é tão bom que eu tenho medo de estragar com alguma ideia.

Alienígenas fãs de Tarantino?

Jéssica disse...

Cara, parece um caderno de rascunhos de algum escritor-roteirista. Mas gostei, só não sei como continuar :S

;*

Leandro disse...

Conde Les é a estrela vampiresca do Vampiração. Vampiro goiano que não gosta de pequi e que usurpa a identidade do vampiro consagrado Lestat em terras quentes e goianas e deserticas. Ao esquecer a sua dentadura em seu belo caixote, é confundido com uma estrela do rock. Sem as suas dentaduras e sem a sua falsa-verdadeira identidade, Conde Les entra em felicidade profunda e decide tomar banho de sol. Aí ele morre de vez. rá.

roteiro um pouco mudado. mas katrina, escrevi isso no colegial durante as aulas de educação física.

Marcelo Novaes disse...

Katrina,






Pobre rapaz... Eu, da minha parte, esqueci Gilda logo ao término da leitura...


No que diz respeito a esse roteiro, o personagem poderia bem refletir o que seria "um vencedor" (not a loser, ok?!), o que fará, provavelmente, com que ele se console com sua sorte (vista, até então, como "azar"). Ao lado da prostituta redimida, of corse. Sim, pois ela não precisará de seus bens, e não estará vendendo o corpo...










Beijos,








Marcelo.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Katrina disse...

Ah, por idiotice eu apaguei o comentário do anônimo. Adoro críticas, ainda mais se forem positivas.
Tudo bem, não escrevo bem, caro anônimo, e este blog não tem a pretenção de provar o contrário. A única pretenção dele é ser como uma válvula de escape de tudo o que eu tenho vontade de escrever, somente isso, sendo bom ou ruim. Por isso o título do blog, lixo de textos.

Existem muitos que gostam do que escrevo e talvez por eles, é que continuo escrevendo minhas abobrinhas, numa maneira de agradá-los e agradar ao meu ego, porque não? Eu sou vaidosa e orgulhosa nesse sentido, como a maioria das pessoas que mantém blogs. Ninguém monta um blog se não for por pura vaidade de mostrar o que escreve.

Ainda tenho muito o que aprender nesse sentido. E aceito todas as críticas possíveis, inclusive a sua, caro anônimo que no fundo, eu sei bem quem é

beijos
=*