terça-feira, 28 de julho de 2009

Tão certo quanto. Se é certo.

Tão certo quanto não saber a cor exata dos teus olhos quase dormentes e quase tão próximos dos meus é a certeza de que a cada movimento do seu peito eu vou te perdendo entre os meus dedos sujos de cigarros que tentam timidamente se perderem dentro do seu cabelo empoeirado de lembranças das quais eu não sei se já faço parte, porque, esse momento ainda não me veio à cabeça como uma lembrança do dia anterior ou de muitos anos atrás, mas me veio como um sonho ou uma alucinação, muito real e que me assustou, confesso.
Então, há de se perdoar palavras confusas pronunciadas em frases ílicitas e gestos levianos em corpos alheios, uma profusão de sentimentos que, se bem sabem, foram emprestados, estes sim, de lembranças reais.
Tão certo quanto os meus lábios ligeiramente secos foram os teus sorrisos ligeiramente secos e soltos, ao belprazer do meu desespero em vão. Do meu corpo que de fato pedia o seu e do seu corpo que de fato pedia o meu, só restaram as marcas em nossas roupas e a frustração de não ter sido como um dia, cada qual independemente solitário em algum lugar, imaginou.
Mas tão certo quando a memória olfativa do que você bebeu na noite passada e do primeiro perfume que escolhi para usar, foi a mistura destes cheiros impregnados na minha pele e no meu cabelo, bilhete seu dizendo que não foi sonho, não adianta fechar os olhos e reimaginar a cena em outros lugares, com outras falas e gestos.
É certo que por todos os lugares para onde fugirei, encontrarei algo de você onde me refugiar.

13 comentários:

Psicose disse...

A incerteza é que nos faz tentar, nos faz ter esperanças...o amor é incerto, a vida é incerto...a unica certeza que temos [ e tememos ] é a da morte. Então vamos viver na incerteza!

Junker disse...

Putz, eu conheço tanto em materia de certeza quanto um cão conhece em filosofia. Mas gostei de ler.

Junker disse...

E eu sei ler melhor que a maioria dos cães

Didiorock disse...

certo... nada é muito certo, ou é certo agora, mas em alguns instantes não é mais.

Nanda disse...

Lindo!

Fábio disse...

Se voltar a falar que é uma quase escritora fracassada, lhe dou umas bofetadas.

Nada é certo, por isso a gente se acostuma com a corda bamba da vida. É isso que dá o tesão à vida (e ao que escrever, no seu caso)
E por isso, há de se ter um porto seguro no final (mesmo que esteja em copacabana, acertei?)

E, próximo texto, quero ver as indicações para viagens que você me prometeu.

Katrina disse...

Meu porto seguro está na Bahia ok? Num bloco de rua, prá brincar e botar prá gemer. Beijos.

Julia disse...

Todo amanhã é feito de incertezas. Se para alguns isso é amargo, para você parace doce.
Escreve bem, bem até demais para alguém que se acha quase fracassada. Adorei aqui.
E sergio Sampaio é o que há.

Bruno. disse...

Se lembrar dos cheiros é para poucos. Deve ser caso de sensibilidade, que sobra em você querida.
Gosto do que escreve, ainda mais quando se abre sem ter medo.
Não fuja, não precisa

Law disse...

Muito bom,
mas falando da personagem e não do texto em si, acho que deveria parar de comparar as coisas diretamente entre as duas personagens. As vezes a comparação estraga uma coisa que era boa antes da mesma ser comparada. Mas eu acho que isso vale mais pra vida real, né? Afinal personagens "não sofrem"

Chez moi disse...

Adorei o modo como você escreve, e o texto também, bem complexo e identificável, ótimo. amei o blog, beijos

Hanna Vonlux disse...

"É certo que por todos os lugares para onde fugirei, encontrarei algo de você onde me refugiar. "

definitamente essa parte me tocou bastante, acho que em sinto meio assim fugitiva de mim mesma, e acabo sempre sendo achada pelo que sinto, ou pelo que achei ter deixado pra trás, adorei o post,


tenha um otimo dia,

Jéssica disse...

CARAAAAAAAAAAAAAAAALHHHHHHOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO Quero esse texto pra mim :~

*-* LINDO! AMEI