domingo, 8 de junho de 2008

Luiza.

Se lembrou de quando era mais jovem do que hoje, talvez uns 13 anos ,talvez 14, época que conhecera aquela que jamais esqueceria.Muitas vezes se perguntou como ela estaria hoje no auge dos seus 30 anos e sofria ao pensar que ela poderia ter uma família e ser feliz ao lado dela.Não que desejasse a infelicidade dela, mas ainda tinha alguma esperança de que ela ainda pensasse nele, que sentisse sua falta tanto quanto ele sentia a dela.Se passaram 10 anos e ele ainda sentia aquele enorme vazio que somente ela completaria.
Luiza.
Era irônicamente bela para alguém que se vestia fora de moda, usava óculos de grau e aparelho nos dentes, além do longo cabelo aparentemente mal tratado.Não era a mais cobiçada entre as jovens da sua idade, mas também não era a mais recusada.Evitava sair com garotos por ser extremamente tímida, o que realçava ainda mais a sua beleza.Era ruiva de olhos verdes e sardenta, muito maior que ele e muito mais divertida que todos daquela cidade pequena de interior.Mas ela diferente de todos ali não tinha vestígio algum de sotaque.
Foram amigos, não os maiores, mas foram bons amigos durante algum tempo.Não conseguia se lembrar quando começou essa paixão por Luiza, talvez quando a viu na festa de 15 anos dela, quando usava um vestido verde que destacava a cor dos seus olhos e mostrava com suavidade os novos contornos que seu corpo adquirira ou quando ambos estavam voltando da escola e uma tempestade começou, e ambos ficaram sob ela dançando e pulando nas poças.A verdade é que desde o momento em que ele tomou consciência que amava Luiza, sua vida nunca mais teve paz.
Tentou em vão namora-la, mas Luiza nunca quis namorar com alguém, o que nunca a impediu de ter alguns casos, inclusive com ele.Foi com Luiza que deu seu primeiro beijo aos 15 e que perdeu sua virgindade aos 18.Declarou-se algumas vezes, mas Luiza sempre ria dizendo que o via apenas como um grande amigo e que não se imaginava apaixonada por ele ou por ninguém.
Era o que ela mais evitava, se apaixonar.
Isso até seus 19 anos, quando tudo mudou.
Ele havia se mudado de escola e planejava em breve cursar uma faculdade de direito como seu pai e entre tantos planos, o principal era esquecer Luiza.Não tardou para se acostumar com seus novos colegas de escola e com a idéia de ser advogado, mas o que nunca conseguia concretizar era passar um dia sem se lembrar dela.Luiza ainda mantinha contato com ele e sempre o convidava para algo enquanto ele sempre recusava todos os convites dela com a desculpa que precisava estudar.E isso aos poucos foi os afastando.
Luiza havia mudado muito desde então.Não era assim tão tímida e começou a aceitar mais convites de garotos que queriam sair com ela.Tirou o aparelho e resolveu cuidar mais dos cabelos e começou a usar lentes de contato.Em pouco tempo se tornara incrivelmente bela, a mais bela garota da cidade para o desespero dele que por mais que quisesse, não conseguia tira-la do pensamento.
Resolveu então que iria embora daquela cidade.
Contou a todos os seus amigos a sua decisão, que era irrevogável.Sair daquela cidade poderia ajuda-lo a esquecer Luiza e a conhecer alguma outra garota tão incrível quanto ela ou qualquer uma que preenchesse a falta que ela fazia.Quando soube,Luiza o procurou para conversarem como bons amigos que sempre foram e ele não conseguiu recusar por mais que quisesse e que achasse que fosse o melhor para ele.No final, acabaram bêbados e estirados nus em uma cama.Ao nascer do dia, no dia em que ele iria embora, Luiza lhe sussurrou em seu ouvido que o amava e que por muito tempo fora apaixonada por ele, mas que tinha medo que ele a abandonasse como estava fazendo agora.Era tarde demais para voltar atrás do que havia decidido.Ele sabia que ela acabaria com a sua vida num simples sopro.
E assim cada um seguiu o seu caminho.Ele se mudou de cidade e não deu a ninguém seu novo endereço e ela continuou sua vida na pequena cidade do interior.Mas ele nunca conseguiu deixa-la de amar, de sentir seu perfume em qualquer lugar, seu sabor em seus lábios a cada manhã e a maciez da sua pele a cada vez que se tocava.Durante 10 anos tentou manter vários relacionamentos sem nenhum êxito.
Então, decidiu que voltaria para Luiza.E que a teria de qualquer maneira de volta.
Pelo caminho a imaginou casada e gorda e infeliz OU casada e ainda muito bela e extremamente feliz.Também imaginou que ela estaria ainda estraçalhando o coração dos homens sempre lhes dizendo que não poderia ser de ninguém ou que ela estaria ali, esperando por ele.A ultima opção era extremamente utópica para ele.
Quando chegou na cidade, foi diretamente a antiga casa de Luiza.
Bateu na porta diversas vezes e gritou pelo seu nome.
Ninguém.
Perguntou então ao vizinho se Luiza havia se mudado de endereço.Descobriu que Luiza agora morava em uma cova.Desesperado tentou conseguir mais informações, mas o máximo que conseguira foi que Luiza havia se jogado num rio perante algumas testemunhas, aos 19 anos.
19 anos.
Saiu pelas ruas desvairado e sangrando por dentro.Não conseguia suportar a ideia de saber que ela estava morta.Que morreu no auge da sua juventude e de seu amor por ela.Procurou os antigos amigos dela, mas a grande maioria já havia se mudado de cidade.Encontrou apenas uma colega distante de Luiza, que lhe informou que Luiza se matou por um grande amor.Ela não sabia direito o que havia acontecido, mas Luiza havia sido abandonada pelo homem que amava e que não viu mais sentido algum em viver sem ele.Perguntou a ela a data da morte de Luiza e ela lhe respondeu que foi em 25/06/98 e que sabia com precisão porque havia sido o dia do nascimento do sobrinho.
22/05/98 foi a data que ele partiu e a deixou ali, estirada e exausta numa cama com a promessa que jamais iria voltar a vê-la.
Promessa cumprida, ele disse a si mesmo.
E se jogou com o carro num rio, ali perto de onde ele e Luiza haviam dançando sob a tempestade.
"Foi quando realmente me apaixonei por ela", foi seu último pensamento.

9 comentários:

Thiago Mussel disse...

Prazer bela triste!

Seu texto é fantástico. Não acho que teu blog condiz com os textos.

Bjo.

Thiago Mussel disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Leila Saads disse...

Triste história.
Não se foge de um amor. Sou adepta às chances, sempre!

Desculpe pela demora na resposta. Mas tava difícil entrar na internet nesse final de semestre...

Beijos!=*

Aquela 'par', que virou ímpar. disse...

muito foda!


o destino é isso.
o fato de eu usar aparelho na adolescencia me rendeu uns quantos beijos nos gatéénhos.
fase ridícula, ficava até com pagodeiro. hoje sou uma pessoa melhor. acredito....
mas não pego como antes. hahhaha
besos!
comprou as laranjas!?! :P

Thiago disse...

Uow!

Final trágico e não pudera ser diferente. Finais felizes são mesmo coisas de contos de fadas e mais estórias pra destrair crianças...

... Assim, quem sou eu? Sou o cara que vc mandou scraps esses tempos no orkut. Tive tempo só hoje de ler as coisas que escreve. Muito bom. E tem coisa a valer aqui! hahaha!

é isso!

Abração e até

Anna Clara disse...

Rua espada nua
Bóia no céu imensa e amarela
Tão redonda a lua
Como flutua
Vem navegando
O azul do firmamento
E num silêncio lento
Um trovador, cheio de estrelas

Escuta agora a canção que eu fiz
Pra te esquecer Luíza
Eu sou apenas um pobre amador
Apaixonado
Um aprendiz do teu amor
Acorda, amor
Que eu sei que embaixo desta neve mora um coração

Vem cá, Luíza, me dá tua mão
O teu desejo é sempre o meu desejo
Vem, me exorciza
Dá-me tua boca
E a rosa louca
Vem me dar um beijo
E um raio de sol
Nos teus cabelos
Como um brilhante que partindo a luz
Explode em sete cores
Revelando então
Os sete mil amores
Que eu guardei somente
Pra te dar, Luíza

Fao disse...

triste e bem escrito

- disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
leandro mayfair disse...

Nha, dorei o texto que não é lixo.
É lindo, muito triste e lindo. Dramático, um conto de amor, lindo.

bjs.