sábado, 24 de maio de 2008

Sob o céu de maio.

-Seus olhos no céu ácido.
-Sua pele no asfalto que arde
-Seus lábios naquela dose de alguma coisa qualquer
-Sua língua nesse cigarro qualquer que fumei
-Vou chamar o sol de você
-Vou chamar a lua de você
-Encontrei pureza em cada puta quando lembrei de você
-Encontrei amor em cada homem com quem me deitei quando lembrei de você
-Sua boceta em cada pau
-Seu pau em cada boceta
-Seu pulso em meu pulso
-Minhas lágrimas em suas lágrimas
-Bob Dylan ouvindo você
-Beatles ouvindo você
-Você nos meus comprimidos sorridentes
-Você na minha agulha mágica
-Em vida
-Na morte

Estendidos na calçada com o olhar fixo um no outro sob o céu macio de maio.A última palavra em seus lábios prevaleceu

3 comentários:

Aquela 'par', que virou ímpar. disse...

iiiiiiiiiiiié!

Lucas Zecchin disse...

vamos! iéééééééé !

Thaís disse...

Sob o céu de maio eu deixo as reticências (...)
( no plural e de preferência entre parenteses)


Beijo